Bushcraft PT

Fórum de Bushcraft e Técnicas de Sobrevivência
Data/Hora: domingo jun 20, 2021 1:02 pm

Os Horários são TMG [ DST ]




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 2 mensagens ] 
Autor Mensagem
MensagemEnviado: segunda fev 08, 2021 8:44 pm 
Avatar do Utilizador

Registado: domingo mar 04, 2012 6:18 pm
Mensagens: 1873
Localização: Tomar
Faca do fórum Nr: 0
Faca preferida:: pedra lascada
Imagem

Este texto é uma tradução livre de publicação na página de Paul Kirtley
http://paulkirtley.co.uk/2019/tactics-f ... ld-months/

A humidade e o frio são condições desfavoráveis para acender um fogo…
As condições que nos levam à hipotermia, são também aquelas em que é mais difícil produzir uma fogueira.

O surpreendente é que em condições muito frias, abaixo de menos 20º Celsius, como se pode encontrar no inverno nas florestas árticas, (Ex: Escandinávia, Sibéria, Alasca), pode ser relativamente fácil acender uma fogueira, em comparação com climas mais temperados na mesma época do ano. Desde que não selecione como combustível uma madeira que contenha água congelada, haverá nela pouca humidade para impedir a ignição. Em baixas temperaturas, o ar é literalmente liofilizado e, embora a humidade relativa ainda possa ser nominalmente bastante alta, a quantidade absoluta de humidade no ar é baixa. As temperaturas muito baixas, dificultam a ignição do fogo, pois tem que se aquecer o combustível a partir de uma temperatura inicial mais baixa até à sua temperatura de ignição. Mas assim que o fogo estiver aceso, podemos facilmente mitigar alguns desses efeitos. O calor produzido pelo fogo secará a humidade congelada no ambiente próximo, à medida que aquece a neve, gelo e solo congelado.
Em contraste, no norte temperado, (Ex: Europa, América do Norte), onde não ocorrem temperaturas tão baixas, muitas vezes sentimos no inverno um frio húmido. Sempre que a temperatura ronda o zero graus, combinada com alta humidade, sente-se um frio penetrante, que nos congela até o âmago. De facto, as circunstâncias de frio húmido são mais difíceis para acender fogo, do que as de frio seco.
Há uma ironia em relação ao acendimento do fogo, pois quanto mais se precisa de fogo, mais difícil é acender.
Condições frias e húmidas são algumas das condições mais difíceis para acender um fogo. É aqui que a atenção aos detalhes e a boa preparação, fazem a diferença para o sucesso na obtenção do fogo.
Assim, seguem abaixo algumas dicas e táticas, nascidas da experiência, muitas vezes obtida à custa de sofrimento, que o ajudarão a fazer uma fogueira, mesmo nas épocas mais frias e húmidas do ano.

O básico
O processo para acender o fogo deve ser sempre feito tendo em atenção os princípios físico-químicos.
Embora se possa safar agindo atabalhoadamente no verão, no inverno a coisa é muito mais severa. A “regra” fundamental nestas circunstâncias é, não faça atalhos, mesmo quando precisa de fogo o mais rápido possível. A preparação adequada de materiais é a receita daqueles que são consistentemente bem-sucedidos.
Além disso, prepare-se para o sucesso, treinando regularmente as técnicas que pretende usar quando as condições forem difíceis. Adquira habilidade em circunstâncias fáceis, que essa prática fará a diferença quando as condições forem mais difíceis.
Deve selecionar como combustível, apenas madeira morta e seca que não se encontre no chão. Deve criar previamente uma plataforma dessa madeira, no local onde vai atear fogo. Isso vai facilitar a combustão inicial do fogo, pelo afastamento do frio e humidade que existe no solo e por permitir um bom fluxo do carburante (oxigênio) no combustível. Recolha ou processe lenha fina (gravetos) em quantidade suficiente para alimentar a combustão na sua fase inicial.
Não abafe as chamas, colocando a lenha sobreposta em forma de V, no sentido de manter aberto o fluxo de ar. Prepare também previamente a lenha para usar nas próximas etapas, para as quais é conveniente usar lenha com grossuras progressivamente maiores, (espessura do lápis, dedo mínimo, dedo polegar e assim por diante).
Adicionar lenha a fogueira é como por “mudanças” num carro. São metidas conforme a velocidade aumenta. Na fogueira vai-se aumentando progressivamente a grossura da lenha, na medida em que vai aumentando a dimensão da combustão.
Se estiver a chover, proteja a fogueira, principalmente na sua fase inicial. Erguendo sobre ela um toldo. Se não tiver um, use um forro de mochila, um saco plástico ou até mesmo um blusão. Este vai molhar-se um pouco, mas vai garantir que vai ter fogo. Se estiver sozinho, suspenda o toldo a o saco ou o blusão, com alguns gravetos. Se está acompanhado, o seu parceiro pode segurar a proteção contra chuva sobre a área em que está a trabalhar. Isto protegerá a ignição e a faze inicial da combustão. À medida que o calor aumenta, o poder do fogo repelirá a chuva. Deve colocar pelo menos o dobro da quantidade normal de gravetos no fogo quando este estiver exposto à chuva direta.
Se não conseguir encontrar lenha fina e seca, rache um tronco mais grosso, tendo assim acesso à madeira interior, mais seca que a parte exterior. Os troncos que não estão no chão, estão sempre mais secos do que os que ali se encontram. Se estes estiverem na vertical, melhor ainda, pois nessa posição, escorrem melhor a água da chuva, existindo menor penetração da humidade para o interior da madeira. Os ramos secos ainda presos às árvores, também são uma boa opção.
Divida as cavacas em diversos tamanhos, para ter os diversos tipos de lenha adequados à evolução da combustão. As lascas mais finas, tornam mais fácil a fase inicial, porque queimam mais rapidamente e devem ser retiradas da zona central do tronco.
A parte externa da madeira, sobretudo a casca, estão sempre mais húmidas que a parte interior. A casca deve ser removida e eventualmente também a camada inicial da madeira. A madeira húmida junta ao combustível seco, desfavorece a combustão, porque essa humidade vai ter primazia na absorção do calor produzido.

Acendalhas
Pode-se reduzir a produção de fogo em duas fases. A primeiro é a ignição da combustão, criando uma brasa ou chama. A segunda é a propagação e manutenção dessa combustão.
Se tiver fósforos ou isqueiro, a primeira fase está assegurada. O crítico é assegurar a segunda fase, ou seja, propagar a combustão ao material lenhoso.
É comum nas pessoas inexperientes, o recurso a uma mão-cheia de ervas ou gravetos, recolhidos do chão. Muito provavelmente vão estar húmidos, pelo que não vão facilitar o resultado desejado.
No processo de deflagração do fogo é importantíssimo que a acendalha tenha as qualidades necessárias, principalmente em condições de frio e humidade. Ela é a ponte entre as frágeis chamas iniciais e uma fogueira consistente. Se a ponte é fraca, pode desabar.
Se a acendalha tiver que ser encontrada no local, deve procurar combustíveis finos e secos. Encontra-os acima do solo, nas folhas mortas ainda presas aos ramos das árvores ou pendurados nas bifurcações dos damos das pernadas. As árvores que possuem uma folhagem mais densa, têm ramos mais baixos que estão mortos. Estes encontram-se abrigados da precipitação, pelos ramos vivos que têm por cima, pelo que geralmente estão secos.
Algumas espécies de árvores produzem folhas e galhos mais adequados do que outras. Os Pinheiros e os Vidoeiros são particularmente profícuos. Elas produzem folhas agulhadas, finas como palitos, têm resina na madeira, que a torna a resistente à água, ou possuem óleos na casca, que são impressionantemente inflamáveis.
Em qualquer tipo de potencial lenha, deve-se ouvir o seu estalar, quando é quebrada, demonstrando assim de que estão secos. Quando vergam e não partem, ou estão verdes ou cheios de humidade, pelo que não são adequados.

Feathersticks
Se não conseguiu encontrar nenhum tipo de acendalha, então terá que a produzir, usando uma ferramenta de corte afiada.
Feathersticks, são pequenas cavacas de madeira na qual foram habilmente produzidas uma série de lascas finas em forma de penacho.
Estas cavacas penacho, servirão como acendalha e facilitador da combustão inicial.
A chama pegará facilmente nas lascas do penacho e posteriormente ao cabo, que dará continuidade à combustão. A chave do sucesso dos feathersticks, é precisamente esta junção destas duas funções. Para resultar as lascas do penacho devem ser bastante finas e longas. O seu cabo deve ser longo, pois para além do que acima foi dito, também facilita a sua colocação na fogueira.

Fogo por fricção
Fogo por fricção, seja com broca e arco ou mesmo broca manual não é irreal, se fizer uma boa seleção de madeiras e aperfeiçoou a sua técnica nos meses mais quentes do ano.
As madeiras que apresentam melhores resultados no verão, também são as melhores para usar em condições mais frias e húmidas. Fique com os materiais que você conhece e confia à medida que aumenta suas habilidades no inverno.
Os princípios básicos da broca de arco em condições húmidas e frias são os mesmos de qualquer outra época do ano, mas existem algumas dicas específicas que podem ser úteis. Primeiro, seja absolutamente meticuloso em não colocar a broca no chão quando não a estiver a usar. Mantenha-a no seu bolso aquecido até precisar usá-la. Começar a aquecer a madeira a partir de uma temperatura inicial mais baixa, faz com que a criação de uma brasa demore mais tempo. Uma camada de ar frio e húmido, perto de um solo húmido e frio, pode ser suficiente para apagar uma brasa. Levante a brasa e afaste-a do solo assim que puder.
O “ninho” deve ser perfeito. Deve estar seco e o mais bem preparado possível. Mantenha o “ninho” aquecido no bolso interno de uma jaqueta até precisar usá-lo. A diferença de temperatura entre manter o pacote em 20-30 graus acima do ponto de congelamento dentro de sua roupa e estar próximo do ponto de congelamento na temperatura ambiente faz uma diferença notável. E claro, certifique-se de ter bastante gravetos bem preparados e combustível secundário, conforme o acima descrito.

Alguns conselhos para fazer fogo em condições de frio e humidade
Independentemente da forma como se atinge a chama, seja criando uma brasa através da broca e arco, que depois é soprada para um “ninho”, seja com a barra de ferrocério, lançando faíscas por exemplo para uma casca de bétula raspada , seja com sílex e aço em algodão carbonizado ou apenas sua marca favorita de fósforos e, independentemente do processo (kidling) que usa, existem algumas considerações a ter em atenção quando o tempo está mais frio.
Para fazer o fogo, convém evitar locais com muito vento. Essa exposição não apenas tornará seus esforços para acender o fogo mais difíceis, como também farão um frio terrível, mesmo com fogo. Para reduzir o efeito do vento frio sobre o fogo, pode procurar um local mais abrigado, deslocando-se para um reentrância, ou para um local onde exista vegetação que proteja o vento. Fazer uma cavidade ou colocar pedras na borda exposta ao vento predominante, também pode ajudar.
Uma consideração mais sutil é evitar o fundo dos vales. Nessas zonas o solo e o ambiente é mais húmido. O ar frio é mais denso do que o ar quente e, portanto, o ar frio está nas zonas mais baixas do terreno.
Se o solo estiver bastante encharcado, construa uma plataforma sob no local onde vai acender o fogo. Pode raspar também o chão, como faria normalmente, retirando a manta-mortas e as ervas desse local. Faça previamente um cone de cavacos empilhados, com aproximadamente a espessura dos dedos. Tenha à mão a lenha de diâmetro maior, para poder usar quando a anterior atear. Coloque a isca ou a acendalha, o mais longe possível do chão. Isso ajuda a reduzir os efeitos da evaporação da umidade nos estágios iniciais do fogo, além de fornecer mais combustível seco ao centro do fogo à medida que ele se estabelece.
Considere erguer um toldo diretamente sobre o local do incêndio. Faça isso antes de acender o fogo, caso contrário corre o risco de a queimar, principalmente se a estiver a montar sozinho. Se estiver chovendo ou nevando, isso protegerá a fogueira, principalmente na sua fase inicial. Mesmo depois de aceso o fogo, o toldo protege o fogo da chuva ou neve, o que permitirá que o fogo queime com melhor eficiência. Existe também um outro efeito benéfico de colocar um toldo sobre a fogueira. Parte do ar quente fica retido debaixo do toldo, criando uma aconchegante atmosfera quente e seca, por convexão do calor sob a lona.

Acender fogueiras em condições de neve
Se existir neve no chão antes de acender o fogo, tem duas opções. Ou pode acender o fogo diretamente em cima da neve, ou primeiro limpar a neve e depois colocar o fogo diretamente no chão como de costume. A opção de escolha depende de vários fatores.
A primeira coisa a entender é que uma fogueira feita diretamente em cima da neve vai fazer derreter a neve e a fogueira vai afundar nela. Se isso é ou não um problema, depende de quanto tempo vai usar o fogo e, até certo ponto, a profundidade da neve. É bastante comum na Noruega ver famílias, por exemplo, passar um dia a fazer esqui em trilhos na floresta, quando fazem uma pausa, acenderem a fogueira em cima da neve e ali assam umas salchichas e aquecem-se. É rápido, eficiente e não requer o deslocamento da neve. Se quer demorar mais tempo e não quer que o fogo afunde, tem que construir uma plataforma por baixo da fogueira. Isso protege melhor a neve do calor que irradia na parte de baixo da fogueira. Se vai ficar por ali, geralmente o melhor é remover a neve do chão antes de fazer o fogo. Se não o fizer, a fogueira vai descer no buraco e não se obtém muito benefício de aquecimento com isso. Pelo mesmo motivo, convém limpar a neve numa área grande, o suficiente para fazer colocar a fogueira é você. Estará então no mesmo nível do fogo, recebendo melhor o calor gerado pela fogueira.
Se o solo estiver congelado, pode pensar-se que este não contem tanta humidade, contudo assim que o solo aquecer, a água começará a derreter e a humidade vai aparecer. Portanto, deve também construir uma plataforma de madeira seca para atear fogo, se não quer que o calor da fase inicial da fogueira, derreta e evapore a humidade do solo, inunde a fogueira apague o fogo.

Resumo - pequenos detalhes são importantes
Embora alguns dos detalhes acima possam parecer pequenos, é em condições adversas que a atenção aos detalhes faz a maior diferença. Em condições frias e húmidas, tem-se menos margem de sucesso do que em condições quentes e secas. Nas últimas circunstâncias, qualquer pessoa pode acender uma fogueira sem muito esforço. Na verdade, nas condições mais secas, a preocupação deve ser a de que a fogueira não fique fora de controlo e provoque um incêndio.
Nas condições frias e húmidas, o desafio é o de conseguir atear em qualquer coisa, mesmo que se queira. Além disso, em condições frias e húmidas, o valor de um fogo é maior, pode ir para além da utilidade. Ser uma necessidade efetiva. A ironia é que quanto mais você precisa de um fogo, mais difícil é criá-lo. Espero, pelo menos, que com estas dicas e conselhos, ajudem-no a ter sucesso na próxima vez que realmente precise do fogo.

_________________
Imagem
- venitur tuo natura -


Topo
 Perfil  
 
MensagemEnviado: terça fev 09, 2021 6:34 am 

Registado: quinta set 09, 2010 4:33 am
Mensagens: 1526
Faca do fórum Nr: 0
Caro Jan
Excelente texto traduzido e ridigido por ti a partir do texto citado, é uma partilha oportuna e actual, mesmo que o confinamento nos limite as saidas, so posso acrescentar que mesmo nao sendo muito natural um bocado de borracha, o intitulado napalme, resultado da disolucao de esferofite em gasolina e outras acendalhas serão bem vindas em casos extremos, onde a vida esteja em risco.
Dou- te os parabéns e agradeço a partilha.
Saudações


Topo
 Perfil  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 2 mensagens ] 

Os Horários são TMG [ DST ]


Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante


Criar Tópicos: Proibido
Responder Tópicos: Proibido
Editar Mensagens: Proibido
Apagar Mensagens: Proibido

Pesquisar por:
Ir para:  
© Bushcraft PT - Fórum de Bushcraft e Técnicas de Sobrevivência - Desde 2008
Traduzido por phpBB Portugal